Relatório Semanal – Al Brooks – 29/12/2019

Expectativas sobre o Emini para a próxima década

28 de dezembro de 2019, por Al Brooks

Visão Geral de Mercado: Atualização de Final de Semana

O Emini está fechando em uma nova máxima, após iniciar essa década perto da mínima. Isso aumenta a chance de um par de semanas de realização de lucros no início de janeiro, ou possivelmente já na próxima segunda-feira. Porém, a próxima quinta-feira (dia 2 de janeiro) pode abrir com um gap de alta. Se isso acontecer, teríamos então um gap nos gráficos mensal, anual e de 10 anos!

A queda que já dura 4 meses no mercado de T-bonds de 30 anos está fazendo uma parada. Provavelmente, haverá uma correção de alta ao longo das próximas semanas.

O par EURUSD está em uma lateralidade há 6 meses. Ele provavelmente ficará em uma lateralidade em 2020, entre os preços de 1,08 e 1,18.

Gráfico semanal do mercado futuro de T-bonds de 30 anos:
Fundo de uma lateralidade em formação

Legendas:
Fundo duplo na média móvel e fundo da lateralidade
Boa barra de sinal de compra
As chances favorecem uma correção de alta na próxima semana
Bandeira de alta em forma de cunha incompleta (3ª perna não foi abaixo da 2ª perna)
Vendedores precisam de um forte rompimento abaixo da mínima de 7 de novembro, ou precisam de um topo duplo com a máxima de 3 de dezembro

Os contratos futuros dos T-bonds de 30 anos estão em um movimento de queda há 4 meses, iniciada a partir de um clímax de compra em forma de cunha aninhada1 que demorou 10 anos para se formar no gráfico mensal (o gráfico acima é o semanal, não o mensal). Tenho dito nos últimos 3 anos que o mercado de títulos provavelmente estava formando um topo majoritário. Quando eu digo “majoritário”, quero dizer que essa máxima durará de 10 a 20 anos. O que significa que os traders devem esperar taxas de juros mais altas ao longo da próxima década.

Mas eu sigo alertando que um topo majoritário no gráfico mensal pode levar vários anos para se completar. Nós já vimos o topo? Pode ser que sim, mas o canal de alta que durou 1 ano foi estreito. Isso reduz a chance de que a queda atual, e que já dura 4 meses, continue em linha reta até níveis abaixo da mínima de outubro de 2018. Esse foi o ponto onde o canal estreito de alta começou.

Ao invés de uma queda ininterrupta, é mais provável que o mercado de títulos esteja em uma lateralidade. E essa lateralidade pode durar todo o ano de 2020.

Em tendência de baixa, mas é mais provável que esteja uma lateralidade

No gráfico semanal acima, estão se formando 3 pernas de laterais a descendentes. Se a perna atual for abaixo do fundo da segunda perna, os vendedores tentarão um forte rompimento. Dessa forma, eles buscarão um movimento projetado mais abaixo.

É mais provável que haja compradores perto do início do clímax de compra mais recente. E o início desse clímax de compra está na mínima de agosto. A mínima do clímax de compra mais recente é um alvo habitual quando ocorre uma reversão de baixa.

O gráfico semanal tem apresentado principalmente movimentos laterais nos últimos meses, ainda que esteja com uma inclinação descendente. Isso é o início de uma lateralidade.

Adicionalmente, o gráfico mensal teve 4 barras de baixa consecutivas. Esse é um movimento extremo, especialmente após um rali2 tão forte como o de 2019. Tais fatores tornam mais provável a ocorrência de movimentos laterais no decorrer das várias semanas à frente.

Possível fundo em forma de cunha incompleta

A queda atual, que já dura 4 semanas, não precisa ir abaixo do fundo da segunda perna de baixa (a mínima de 7 de novembro). Ao invés disso, os títulos poderiam reverter para cima na próxima semana. Essa perna de baixa, portanto, formaria um fundo duplo com a mínima de novembro.

Eu chamaria toda essa queda de 4 meses de uma “cunha incompleta”. Isso ocorre quando um gráfico parece estar formando um fundo em forma de cunha, mas a terceira perna de baixa reverte logo acima do fundo da segunda perna de baixa. As forças são as mesmas que vemos em uma cunha. E, por isso, eu gosto de usar o termo “cunha”. Mas, uma vez que a terceira perna falha em ir abaixo da segunda perna, a cunha está incompleta.

Isso significa que os traders estavam muito confiantes de que haveria uma reversão de alta, logo abaixo da segunda perna. Na verdade, eles estavam com medo de que a terceira perna poderia não chegar lá. Como os compradores não queriam perder o rali, eles começaram a comprar acima do fundo da segunda perna.

Além disso, os vendedores que estavam esperando realizar lucros abaixo da segunda perna ficaram preocupados com uma perda de momentum na venda. Eles estavam com receio de não conseguir sair de suas posições vendidas abaixo da segunda perna. Portanto, eles também começam a comprar logo acima do fundo da segunda perna de baixa.

Se há traders comprando em número suficiente, a terceira perna falha em romper abaixo da mínima da segunda perna. Então, o fundo em forma de cunha fica inacabado. No entanto, uma vez que essa formação ainda é uma variação de uma cunha, os traders esperam que ocorram pelo menos algumas pernas de laterais a ascendentes.

Queda forte e, portanto, somente uma reversão minoritária

É importante notar que o gráfico semanal tem apresentado movimentos laterais nas últimas 11 semanas. Consequentemente, uma perna de alta pode testar o topo dessa lateralidade em formação ao longo das próximas semanas. Os traders devem aguardar um movimento de alta a partir de agora ou a partir de preços logo abaixo da mínima de novembro.

Mas após 4 barras de baixa consecutivas no gráfico mensal, qualquer rali provavelmente será minoritário. Isso significa que a lateralidade deve durar pelo menos mais um mês.

Gráfico semanal do par EURUSD no mercado Forex:
Lateralidade de 5 meses ocorrendo tarde em uma tendência de baixa que já dura 2 anos

Legendas:
Rali de 5 semanas testando novamente a linha de tendência de baixa e o número redondo de 1,12
Barra grande de alta e provavelmente preços mais altos na próxima semana
Rali em forma de cunha até a linha de tendência de baixa
Vendedores querem um topo duplo com a máxima de 21 de outubro, e ocorrendo no número redondo de 1,12

O gráfico semanal do EURUSD tem estado em movimentos laterais desde meados de agosto. Os traders querem saber se a tendência de baixa, que já dura 2 anos, está finalmente acabando.

A tendência de baixa se apresentou na forma de um canal estreito de baixa ao longo de 16 meses. Um canal de baixa tem tipicamente um rompimento de alta. Portanto, os traders esperam que o rali se torne uma perna de alta dentro de uma lateralidade em formação, ao invés de uma nova tendência de alta.

O topo da lateralidade está normalmente por volta do início do canal de baixa. E esse ponto é a máxima de setembro de 2018, por volta dos 1,18.

Qualquer rali a partir dos níveis atuais será provavelmente uma perna dentro de uma lateralidade. Os traders não estão esperando um forte rompimento de alta e uma forte continuidade das compras.

O atual rali de 3 meses é uma perna de alta dentro de uma lateralidade que já dura 6 meses. Se o rali continuar acima da linha de tendência de baixa, ele provavelmente se tornará uma perna de alta dentro de uma lateralidade maior. O próximo alvo relevante é a máxima de setembro de 2018.

Se o par EURUSD chegar lá, os compradores realizarão lucros e os vendedores entrarão novamente. Os traders devem esperar uma perna de baixa a partir daquele ponto. Eles concluirão, então, que a queda que durou 2 anos foi apenas uma perna de baixa em uma lateralidade, e não uma tendência de baixa. Essa lateralidade teria, portanto, seu início a partir da queda que começou na máxima de setembro de 2018.

Lateralidade ininterrupta em 2020

Esse é o cenário mais provável no decorrer do próximo ano. Os traders devem esperar um rali até por volta dos 1,18, dentro dos vários meses à frente, e a partir dali devem esperar que haja um movimento de lateral a descendente por vários meses. Os vendedores podem conseguir mais uma ou duas novas mínimas, antes que se inicie o rali até os 1,18.

Uma vez que o par EURUSD tem estado em uma lateralidade nos últimos 16 meses, nada está claro. Tendo em vista que é provável que essa lateralidade permaneça por grande parte ou por todo o ano de 2020, os padrões formados continuarão a ser imperfeitos. As probabilidades relacionadas a esses padrões serão mais baixas. Os traders permanecerão esperando reversões a cada 2 a 3 semanas, durante o movimento de alta até a máxima de setembro de 2018, assim como ocorreu por todo o movimento de baixa recente.

Um comentário final. Há sempre uma chance majorada de ocorrer no início do ano um movimento dramático em qualquer mercado de Forex. Porém, por conta do que escrevi acima, uma lateralidade é ainda o mais provável em 2020.

Gráfico mensal do Emini (S&P500):
Rali forte, mas pode atrair a realização de lucros

Legendas:
Rali forte até logo acima do topo do canal de alta de 13 anos
Pelo menos, preços ligeiramente mais altos são prováveis, mas o rompimento acima do canal de alta normalmente falha dentro de 5 barras
Vendedores querem uma reversão pra baixo, mas provavelmente precisarão de um micro topo duplo
Fechamento forte no final de uma década forte

O gráfico mensal do Emini (S&P500) está formando sua 4ª barra consecutiva de alta neste mês de dezembro. Restando apenas 2 dias para o final deste mês, dezembro provavelmente fechará perto de sua máxima. O rali que já dura 1 ano foi uma retomada da forte tendência de alta que terminou com um clímax de compra em janeiro de 2018.

Esse clímax de compra foi o mais extremo ocorrido nos gráficos mensal, semanal e diário, na história do mercado acionário. Eu falei sobre isso com frequência no final de 2017. O resultado foi uma exaustão dos compradores. Mas, após um ano de movimentos laterais em 2018, os compradores voltaram a entrar agressivamente no decorrer do ano de 2019, criando uma retomada da tendência de alta.

O quão longe pode ir esse rali? O primeiro alvo que os traders podem sempre considerar é aquele relativo a um movimento projetado. A lateralidade com duração de 2 anos teve uma amplitude de aproximadamente 600 pontos. Um movimento projetado para cima resulta em 3.575.

O Emini vai chegar lá? Pode chegar, mas pode levar mais de um ano pra isso.

O que poderia dar errado?

Há diversos obstáculos à frente. Primeiro, a curva invertida de juros em agosto é um prenúncio de uma recessão. A recessão normalmente começa de 1 a 2 anos após esse sinal. Uma vez que o mercado acionário usualmente inicia uma queda cerca de 6 meses antes do começo de uma recessão, os compradores podem não ter tempo suficiente para alcançar o seu movimento projetado.

Além disso, essa é a mais longa tendência de alta da história do mercado acionário. Isso reduz a chance de que ela dure vários anos a mais.

Adicionalmente, uma lateralidade que ocorre tarde em uma tendência de alta é normalmente a Bandeira Final de Alta. Isso significa que os traders devem esperar uma reversão para baixo, que não deve demorar muito tempo, e que faça os preços voltarem para a lateralidade dos últimos 2 anos.

O rompimento, com frequência, continua por 10 ou mais barras antes que a reversão se inicie. Dez barras no gráfico mensal é quase um ano. Novamente, pode não haver tempo suficiente para os preços alcançarem os 3.575 antes que essa reversão ocorra.

Finalmente, o gráfico mensal está rompendo acima de um canal de alta. Tipicamente, há uma probabilidade de 75% de que se inicie uma reversão de volta para o canal em até 5 barras (o que corresponde a 5 meses). Se houver uma reversão, o alvo mínimo é o ponto médio do canal. Se a correção continuar por preços abaixo daquele ponto médio, o próximo alvo é a linha de tendência de alta no fundo do canal.

Lateralidade pelos próximos 10 anos

Quero fazer um último comentário sobre essa forte e incomum tendência de alta de longa duração. Os compradores mantêm suas compras até que estejam convencidos de que os preços estão claramente bem mais altos do que os fundamentos poderiam justificar.

A partir dali, eles começam a realizar lucros e aguardam até que os fundamentos justifiquem o preço. Eles precisam ver o mercado em movimentos de laterais a descendentes por um bom tempo, antes de concluírem que os preços estão novamente baratos. Esse movimento de lateral a descendente nos diz que a tendência de alta se converteu em uma lateralidade.

As pernas em uma lateralidade no gráfico mensal podem ser longas, e podem durar um ano ou mais. Olhe o que aconteceu após o forte rali do final dos anos 60 e naquele do final dos anos 90. Ambos levaram a uma década de movimentos laterais. Além disso, cada lateralidade ocorrida teve 2 ou mais quedas de pelo menos 40%. A queda em 2009 foi de 60%.

Ainda não há um topo formado e o Emini pode seguir com preços mais altos por um ano ou mais. Porém, os traders devem esperar que a lateralidade se inicie dentro de 3 anos. Assim que isso ocorrer, os traders devem buscar compras em quedas de 30% a 50% e realizar lucros em ralis de 50% a 100%, pela próxima década.

Forte tendência de alta no gráfico anual

Terça-feira não é somente a última barra do mês e do ano, mas é também o final de uma década de movimento muito forte. Pense por um momento num gráfico anual, no qual cada barra representa 1 ano inteiro. O ano de 2019 é uma grande barra de alta. Uma grande barra de alta em qualquer tempo gráfico normalmente atrai a realização de lucros. Há, portanto, tipicamente uma pausa na barra seguinte.

Por exemplo, a próxima barra poderia ser uma barra interna. Quando o próximo ano abrir na quinta-feira3, se a abertura estiver abaixo da máxima deste ano, os traders podem se perguntar se 2020 será uma barra interna no gráfico anual. Se um número suficiente de traders pensar assim, o ano que vem estaria abrindo perto de sua máxima. Os traders procurariam por uma queda logo no início do ano, e daí um movimento de lateral a descendente pelo resto do ano.

Alternativamente, o próximo ano pode ir acima da máxima deste ano, mas fechar na máxima de 2019 ou abaixo dela. Se 2020 fechar na mínima, o ano será uma barra de sinal de venda no gráfico anual. Isso aumentaria a chance de preços mais baixos em 2021.

Se o ano que vem fechar no ponto médio, o ano será um doji. Se trata de uma barra neutra e tornaria mais provável a continuação de movimentos laterais em 2021.

Possível gap de alta nos gráficos anual e de 10 anos!

Agora, aqui vai um pensamento. Os mercados estão constantemente testando. Eles tentam fazer coisas que nunca fizeram antes. Eles procuram por comportamentos extremos para ver como os traders responderão a isso. Por exemplo, movimentos climáticos de compra e de venda podem ser extremos. Olhe para o Crash de 1929 e para o clímax de compra de 2017. Ambos foram os mais extremos na história.

E se a próxima quinta-feira3 abrir em gap de alta em direção a uma nova máxima histórica? Haveria um gap de alta no gráfico mensal, tal como ocorreu em novembro. Gaps no gráfico mensal são raros.

No entanto, haveria também um gap de alta no gráfico anual. Eu tenho dúvidas de que haja um gap de alta no gráfico anual que permaneceu aberto. Eu não verifiquei, mas não deve ter havido sequer um gap de alta naquele gráfico anual.

Finalmente, considere um gráfico de 10 anos, no qual cada barra representa uma década (não mostrado aqui). Um gap de alta em direção a uma nova máxima na quinta-feira3 formaria um gap de alta no gráfico de 10 anos!

Eu duvido que isso já tenha ocorrido antes. Se aconteceu, o gap provavelmente foi fechado antes do final da barra. Mas a barra fechará somente em 10 anos a contar de agora. Portanto, um gap de alta poderia permanecer aberto por muitos anos.

Gap de exaustão ou gap de projeção?

Um gap de alta ocorrendo tarde em uma tendência de alta normalmente é fechado dentro de poucas barras. Por exemplo, o gap acima da máxima de outubro provavelmente será fechado dentro dos próximos 6 meses.

Porém, algumas vezes o gap permanece aberto por um longo tempo e se torna um gap de projeção. Ele poderia se tornar um gap de projeção nos gráficos diário e semanal, e um gap de exaustão nos gráficos mensal, anual e de 10 anos.

Por exemplo, o gap pode levar a um rali que dure vários meses e pode atingir algum alvo de movimento projetado no gráfico semanal. Então, se houvesse uma reversão ao longo dos vários meses à frente, a queda poderia fechar o gap. O gap se tornaria, portanto, um gap de exaustão nos gráficos mensal, anual e de 10 anos.

Em qualquer caso, você nunca mais verá esse tipo de price action em sua carreira de trader. Gaps de alta em gráficos mensais são raros. Eles podem nunca ter ocorrido no gráfico anual e de 10 anos, e provavelmente nunca acontecerão novamente durante toda a sua vida. Será interessante ver o que se seguirá a esse fenômeno.

Topo em forma de cunha parabólica no gráfico anual

Legendas:
Gráfico anual do Emini: Cada barra representa 1 ano inteiro
Maior barra de alta, ocorrendo tarde na tendência de alta, normalmente atrai realização de lucros
Vários rompimentos de 1 a 2 barras seguidos de pausas
Esse é um clímax de compra em forma e cunha parabólica
Normalmente leva a cerca de 10 barras de movimentos de laterais a descedentes
Isso significa uma possível lateralidade para a próxima década

Se você olhar para o gráfico anual, no qual cada barra representa 1 ano inteiro, notará que a década que passou teve vários rompimentos. Cada um deles foi seguido de uma pausa. Esse clímax de compra em forma de cunha parabólica normalmente atrai a realização de lucros. É especialmente verdadeiro quando uma barra é a maior barra de alta e está se formando tardiamente na tendência, como em 2019. Uma realização de lucros normal usualmente resulta em uma correção de 1 a 3 barras. Uma vez que aqui estamos tratando do gráfico anual, uma correção poderia facilmente durar mais de um ano.

Mas esse é um clímax de compra em forma de cunha parabólica. Quando ele terminar, com frequência há um movimento de lateral a descendente que dura cerca de 10 barras, antes da tendência anterior ser retomada. Estamos, portanto, falando aqui de uma década, e isso é consistente com aquilo que escrevi acima. Após um clímax de compra em forma de cunha parabólica, o mercado frequentemente fica lateral por cerca de 10 barras. Isso significa que a próxima década pode se tornar uma lateralidade.

Gráfico semanal do Emini (S&P500):
Pequeno doji indica perda de momentum

Legendas:
Tendência forte de alta, mas uma barra menor se formou e, portanto, houve uma perda e momentum
Uma vez que é um rali em forma de cunha parabólica, provável realização de lucros em breve
Provavelmente haverá somente uma reversão minoritária por conta da forte tendência de alta
Vendedores precisam de barras de baixa antes de haver uma queda mais profunda

 O gráfico semanal do Emini (S&P500) subiu fortemente por 4 meses. No entanto, a última semana apresentou uma barra pequena e com sombras significativas. É uma barra relativamente neutra, o que significa uma perda de momentum. Com frequência, isso representa um primeiro sinal de realização iminente de lucros.

Por conta da força da tendência de alta, se houver uma realização de lucros, ela formará provavelmente uma bandeira de alta ou uma lateralidade, e não uma tendência de baixa. Normalmente, uma forte tendência de alta precisa de pelo menos um micro topo duplo, antes que uma tendência de baixa se inicie.

Eu disse há 4 semanas atrás que o grande doji, que foi uma barra de sinal de compra, era um problema. Sim, ele foi a primeira correção após um micro canal de alta de 9 barras. Os traders esperavam por, pelo menos, preços ligeiramente mais altos.

Mas a grande sombra inferior em um doji nos diz que houve vendas fortes no início da semana. Isso aumenta a chance de vendas adicionais em breve.

Quando um doji é o sinal de compra em um clímax de compra, o rali normalmente leva a mais realização de lucros dentro de poucas barras (aqui, dentro de poucas semanas). A pequena barra da última semana pode ser o início dessa realização. Assim, há um aumento da probabilidade de ocorrência de uma correção de 1 a 2 semanas no decorrer das próximas semanas.

Gráfico diário do Emini (S&P500):
Clímax de compra em forma de cunha parabólica, mas não há topo ainda

Legendas:
Rali forte em direção ao final da década, ano, mês e semana
Clímax de compra em forma de cunha parabólica no relevante número redondo de 3250 e no topo do canal de alta
Barra de sinal de venda e clímax de compra, portanto deve haver uma correção de 1 a 2 semanas em breve

 O gráfico diário do Emini (S&P500) fez uma lateralidade estreita ao longo de 3 dias, mas retomou a alta no final da semana. A semana do Natal é normalmente a semana mais calma do ano, mas ocorre usualmente pelo menos um dia de tendência forte, como ocorreu na quinta-feira ou na sexta-feira. As amplitudes diárias tendem a ser pequenas e grandes movimentos são a exceção. Como o Ano Novo também cai no meio da semana, a próxima semana provavelmente também será de calmaria.

Os mercados prestam atenção ao comportamento do passado

Os mercados frequentemente repetem o comportamento, ou fazem o oposto do comportamento recente. Houve uma queda forte em dezembro de 2018 e em janeiro de 2019 o mercado reverteu para cima. O rali começou em 26 de dezembro de 2018.

Este mês de dezembro está apresentando uma forte alta. Isso aumenta as chances de uma tentativa de reversão de baixa em janeiro de 2020. Sexta-feira fez uma barra de sinal de venda, por conta de um topo em forma de cunha parabólica no gráfico diário. Está no topo de um canal de alta de 2 meses, e no relevante número redondo de 3.250. Por fim, sexta-feira foi dia 27 de dezembro e, portanto, apenas 1 dia após a mesma data na qual ocorreu a reversão de tendência no ano passado.

Se os compradores realizarem lucros aqui, os traders esperarão por uma rápida correção. Ainda não há um topo formado. Canais estreitos de alta normalmente não se transformam de imediato em tendência de baixa, sem antes apresentarem movimentos laterais por pelo menos algumas poucas barras. É provável que o melhor que os vendedores conseguirão seja uma lateralidade estreita de 10 barras ou uma perna de baixa em uma lateralidade maior. Daí, os traders decidirão se a queda é uma correção ou o início de uma grande reversão.

O Barômetro de Janeiro e o Efeito Janeiro

As notícias sempre tratam do grande poder preditivo da performance ocorrida em janeiro. Você ouvirá alguém falar sobre o Barômetro de Janeiro. Se em janeiro o mercado é de alta, o resto do ano tem 82% de chance de ser um ano de alta.

Mas lembre-se, a população mundial está em constante crescimento, assim como a sua produtividade. Isso significa que a riqueza continua crescendo. O resultado disso é que o mercado acionário, considerando um gráfico anual, nunca esteve em uma tendência de baixa. Na verdade, 65% de todos os meses são de alta. Se o mês de janeiro for de alta forte, o mercado tem uma chance de 82% de seguir em alta pelo resto do ano. Isso não é muito diferente dos 65%, e não é suficientemente diferente para mudar o seu comportamento operacional.

O Efeito Janeiro significa que os compradores que venderam ações em dezembro por motivos tributários, entrarão novamente em janeiro. Isso, em teoria, pode levar a um rali em janeiro. Porém, a maioria dos meses apresenta alta de 0,5% a 1,5%. Janeiro não é diferente. Além disso, com o ano terminando com força, pode ocorrer alguma realização de lucros em janeiro.

O que acontecerá? E quem se importa? Eu irei operar o que eu vejo, e não o que as notícias me dizem que vai ocorrer. Portanto, os traders devem enxergar isso tudo apenas como um entretenimento. Ouça o que dizem e sorria. Entenda apenas que ninguém ganha dinheiro operando com base em qualquer um desses conceitos.

1 Nota de tradução: o termo aninhada(o) (nested) denota a formação de um padrão menor dentro de um padrão igual, mas maior. Assim, o termo “cunha aninhada” (ou nested wedge, no original em inglês) representa a formação de uma cunha menor dentro de um período no qual ocorreu a formação de uma cunha maior. Em outras palavras, uma cunha dentro de outra cunha.

2 Nota de tradução: a palavra “rali” aqui é usada com o mesmo sentido da palavra inglesa rally, que denota um movimento de alta.

3 Nota de tradução: no texto original em inglês, Al Brooks escreveu Wednesday (quarta-feira), e não Thursday (quinta-feira). Por conta do feriado no dia 1º de janeiro e da abertura efetiva das bolsas somente no dia seguinte, essa data foi corrigida na tradução.

* Esta tradução livre para o português tem fins exclusivamente didáticos, foi autorizada por Al Brooks e não pode ser reproduzida ou utilizada de nenhuma forma sem autorização expressa do autor ou editor, exceto para uso em citações breves e desde que com a devida citação da fonte em sua reprodução. O texto original em inglês pode ser encontrado no seguinte link do website do autor: https://www.brookstradingcourse.com/market-analysis/emini-expectations-next-decade/.

Tradução: Filipe Mano (Aluno do Treinamento ao vivo)

Copyright © 2020 de Al Brooks Todos os direitos reservados. Este artigo ou qualquer parte dele, assim como qualquer mídia relacionada, não pode ser reproduzido ou utilizado de nenhuma forma sem autorização expressa, do autor ou editor, exceto para uso em citações breves, com a devida citação da fonte. O uso não autorizado configura crime.

Deixe uma resposta